domingo, 7 de setembro de 2008

Hoje mais do que ontem...

Hoje estou aqui e não me sinto.
Caída de um patamar superior reduzo-me a uma cinza pobre e leve que insiste em se dispersar pelo vento. Não sinto a aragem mas nela deixo-me levar.
Sinto-me filha de um tempo passado, que entrou na maquina do tempo e que caiu sem pára-quedas.
Olho em volta tenho tudo mas, tudo falta.
Hoje mais do que ontem sinto que deixei de sentir e de viver a 100%.

1 comentário:

Intermitências de Ecos disse...

És mulher... és humana! Seres insatisfeitos com o tudo que nada lhes parece!

Dizer mais o quê?! :)

***