domingo, 11 de janeiro de 2009

Ainda bem que não temos a capacidade de ler os pensamentos que vão na cabeça um do outro. Com toda a certeza nos ofenderíamos muito.

6 comentários:

Intermitências de Ecos disse...

Não tenho a menor dúvida.

Será que a ponte entre o amor e o ódio abraça assim uma grande distância, como dizemos e/ou acreditamos?!

Bem...
... Acredito que, nos pontos auge do nosso desequilíbrio emocional, o ódio abraça bem de perto o amor: por instantes, momentos, horas, dias... Mas há sempre uma altura em que essa guerra acaba e é inevitável a quebra dessa ponte.

:)

Prisioneira de Sonhos disse...

... tenho tanto pra dizer!

:(

mas sei que não devo...

Intermitências de Ecos disse...

Ai, não deites p'ra dentro - confronta-te.
Esquece essa parte do "dever e não dever". Isso é um obstáculo.
Eu fartei de me fechar e de guardar aquilo que mais queria dizer só para mim... só porque não 'devia' quebrar o silêncio que não fui eu que criei, para não me dar por fraca. Mas será que é assim tão importante e que vale a pena mantermos essa imagem de que 'tá tudo bem, enquanto que no fundo o que mais queremos é explodir um dicionário?!
Não podemos ficar caladas. Temos de ser francas. Precisamos de respostas. Precisamos de vectores. A espera em silêncio é morte lenta.

Prisioneira de Sonhos disse...

prefiro perder este amor por ódio do que pelo silêncio...

Abro as portas... Grito-lhe ao ouvido constantemente...

A realidade é que ele é pior que Judas já me negou mais de 3xs...

mas ainda o quero mais!

:) inspiras-me de estranha forma dás-me força!

***

Intermitências de Ecos disse...

A negação dá-nos ainda mais vontade de insistir, investir, permanecer...


Já alguém dizia:
"Não há vitórias sem derrotas nem pódio sem esforço!"

O mundo é nosso!

Sejamos a força de mãos dadas :)

Prisioneira de Sonhos disse...

encaixemos as mãos...

abram-se caminhos...

para um mesmo horizonte...

ser! a cada passo! um pouco mais felizes!


:) ***