sábado, 10 de janeiro de 2009

Invades-me de tal forma.... perco chão!

Pára de pressionar-me!
Sai da minha cabeça!
Deixa-me descansar.
Anseio o calor do teu corpo e todas as células do meu já entraram em stress contínuo... porque, na realidade dura, crua, não há outro que as satisfaça. Envio-te sinais aos quais respondes insistentemente: Ignoras-me, evitas-me... e eu insisto.
Burrice a mim querer-te tanto. Esperar-te assim!
Será que é hoje que te encontrarei na escuridão?
Aparecerás no meu sonho
Beijar-me-ás?!
Beija-me amor, torneia-te em minhas curvas, encaixa-te uma noite mais, cerca a entrelinhas das minhas mão, cerremos as palmas em vácuo perfeito!
Sê meu!
É sonho?
Não importa desde que te sinta em momentos, sou maior.

4 comentários:

Intermitências de Ecos disse...

"Envio-te sinais aos quais respondes insistentemente: Ignoras-me, evitas-me... e eu insisto."


Será que sofremos do mesmo mal?!

Prisioneira de Sonhos disse...

Amo quem nunca me amou mas pior ainda não se deixa amar ou querer amar.
Criou o ambiente e partiu... tem vezes que até acho que me testa para ver a dimensão da dor: consome-me a alma mas vou esquecer que o amo e aceitar que o tenho como amigo... mesmo negando a mim mesma que o espero. Estou Perdida!

Tou não tou?

lololol

o tempo vai ter de me ajudar!

P.S. Espero que o teu mal não seja o meu!

Intermitências de Ecos disse...

Estarás perdida?! Talvez não! Talvez sim! 'Tou como tu, diria.

Sofro do mesmo mal?! Uma vez mais digo: talvez!

'Tou pelos meios termos :)

P.S.: eu sabia que havia algo em comum ;-)

Continuamos nessa espera incessante?!

****

Prisioneira de Sonhos disse...

SIM...

continuamos!


***

Escreve mais que me preenche!